Digite aqui
sua consulta

Visualizar Como:

Antonio José Moreira Tipo: Diccionário Bio-bibliográfico Cearense-Barão de Studart Ano: 1773

Antonio José Moreira - Nasceu em S, Bernardo de Russas a 5 de Setembro de 1773 e foi baptisado a 15 do dito mez pelo carmelita da reforma Padre Estanislau de Santa Theresa, sendo padrinho João Francisco Sam Payo, solteiro, morador em Aracaty e representado por João Francisco Sam Payo, morador em Russas e casado em Portugal.

Era filho do Capitão José Antonio Moreira, natural do bispado de Leiria, freguezia de S. Lourenço em Carvide, casado a 5 de Março de 1764 com D.a Martha da Costa de Oliveira, natural de S. Bernardo de Russas e ambos moradores no Aracaty; neto paterno de José Moreira e de sua mulher D.a Maria Domingues de Lima, naturaes de Carvide, e materno de Amaro José da Costa, natural de Lisboa e de sua mulher D.a Josepha Maria de Oliveira, natural de Sergipe d'El-Rei.
Amaro José da Costa era filho de Domingos da Costa e de sua mulher D.a Catharina de Senne, ambos de Lisboa, e D.a josepha Maria de Oliveira era filha de Pedro Serrão de Carvalho e de sua mulher D.a Joanna da Sylva de Mello, naturaes de Sergipe.
Do casamento de José Antonio Moreira com D.a Martha da Costa, que foi celebrado pelo parocho de Russas Manoel da Fonseca Jayme, serviram de testemunhas José Pinto Lopes e Miguel Rodrigues Correia, que é o tataravô dos Mons.res Bruno de Figueiredo e João Dantas. Delle provieram também Luis Theodosio da Costa Moreira, professor, Nicolau, Amaro, Angela que foi casada com Manoel Antonio Alves Ribeiro. Angelica, casada com José Mendes, Ignacia, casada com Antonio Antunes de Oliveira, Alaria, casada com o português José Nunes, e Antonia nascida em Aracaty a 9 de Novembro de 1782, baptisada a 30 do dito mez pelo vigário José Oartos da Silva Carneiro, servindo-lhe de padrinhos Jacintho José da Costa Barros, tio do presidente Costa Barros, e D.a Maria Ignacia Cavalcante, fallecida em Alagoas.
D.a Angelica consorciou-se em Novembro de 1797 em Aracaty com José Mendes da Cruz Guimarães, que aos 20 annos veio para o Brasil em 1796, esteve em Pernambuco por alguns mezes e transferiu depois a residência para aquella localidade.
José Mendes da Cruz Guimarães era filho de Simão Mendes e de sua mulher D.a Rosa Mendes, naturaes de Guimarães. Uma de suas filhas, D.a Anna Mendes Barbosa Cordeiro foi mulher do Major Simão Barbosa Cordeiro.
Por occasião da deposição do governador Rubim a 3 de Novembro de 1821, o Vigário Antonio José Moreira fez parte do governo provisório que se organisou sob a presidência de Francisco Xavier Torres, e a 24 de Dezembro foi eleito deputado ao Supremo Congresso das Cortes juntamente corn o sargento-mór Pedro José da Costa Barros, Padre Manoel Felippe Gonçalves, Manoel do Nascimento Castro e Silva e José Ignacio Gomes Parente. Mais/tarde a 29 de Abril de 1824 foi elle o presidente da commissão enviada a Pedro José da Costa Barros para impor-lhe o abandono da presidência da Província, facto que se realisou, com o protesto do dito presidente, a 26 do mez de Agosto do mesmo anno.
Fez parte da sessão extraordinária do Grande Conselho Provincial, assignando a respectiva acta como conselheiro do governo republicano, e na subsequente reunião do Collegio Eleitoral foi escolhido como um dos representantes do Ceará para o Supremo Conselho Salvador a reunir-se em Pernambuco.
Os outros representantes do Ceará foram: Padre Alencar, Vigário Pacheco Pimentel, Padre Jaguaribe, Mello e Cesar, Francisco Ibiapina, Marianno Gomes e Costa Alecrim.
Fonte:Diccionário Bio-bibliográfico Cearense-Barão de Studart.
Data de Nascimento:5/09/1773

Nuvem de Temas

Informações Legais

O PORTAL DA HISTÓRIA é um sistema de GED especializado em bens históricos. Os dados apresentados neste site têm origem em publicações históricas que estão sob domínio público devido ao tempo de publicação. O propósito deste site é facilitar aos pesquisadores, cientistas sociais e estudantes o acesso a informações históricas relevantes à compreensão do povo brasileiro.

 

© Copyright 2015 - Webmaster - Gildácio Sá. Material aberto para uso não-comercial - pede-se acusar referência da fonte.